TERÇA 02/08 - 19:30

ADORANDO ATRAVÉS DA DANÇA


                 O movimento profético na dança é fruto de uma total entrega ao Senhor e de intimidade com Sua pessoa, e Sua personalidade, de uma maneira tal que nos “fundimos a Ele”. Assim, tornando-nos com nosso Mestre uma só peça que traz na sua plenitude o discurso corporal da vontade de Deus!
                   Descrevemos aqui algo sobre a vida de Isadora Duncan  precursora da dança moderna; uma artista inigualável do início do século passado. Isadora serviu a falsos deuses, embora sua vontade fosse exatamente de entregar-se e ser, através de seu corpo e movimento, um instrumento profético, dos deuses a quem serviu. É interessante contextualizar que o século XX, quando viveu Isadora, começa seu caminho abrindo mão de tudo já existente. Chegou o amor livre, compromissos “livres”, transporte livre, tudo livre... A sociedade contemporânea começa a fluir com a dança do povo. Em 1907, Rudolf Van Laban surge como contemporâneo da dança moderna. Seu interesse era o propósito espiritual da dança! Uma de suas seguidoras chamava-se Isadora Duncan.
               Nascida em 1878 na Califórnia, desde pequena Isadora queria dançar da sua própria maneira. Com o encorajamento da mãe, a família se mudou para Nova Iorque e mais tarde para a Europa, buscando os anseios de Isadora sobre a dança. Quando se tornou mais velha, ela percebeu sua capacidade única e decidiu que somente a Grécia Helênica trazia a chave para sua carreira. Mudou-se mais uma vez, dessa vez para a Grécia, em 1903. Aos 25 anos, Isadora vivia no topo de um monte próximo de Atenas. Ela necessitava estar próximo a um templo para os deuses gregos e queria ter seu próprio anfiteatro... Seu desejo era viver como a velha Grécia vivia.

             Ao examinarmos a cultura grega, a glorificação do corpo e da alma predomina. A adoração a deuses e a prostituição nos templos prevaleciam. Isadora desprezava o ballet estruturado e se auto denominava uma “poetisa em movimento”. Ela não se denominava uma artista de teatro, pois amava dançar em igrejas, jardins, festas e templos. Isadora buscou a expressão divina do espírito humano, e se seguisse seu instinto, acreditava que poderia se transformar na própria natureza. Então ela se tornaria o mar, o vento, as nuvens, o céu. Ela amou mais a criatura que o Criador.
“Por isso Deus entregou tais homens à imundícia, pelas concupiscências de seu próprio coração, para desonrarem seu corpo entre si; pois eles mudaram a verdade de Deus em mentira, adorando e servindo a criatura em lugar do Criador, o qual é bendito eternamente. Amém.” (Rm 1:24,25)

            Ela admitia que a produção artística da dança era fácil para ela. Ela afirmava receber e se relacionar com os espíritos. Ela ouvia uma melodia do “outro mundo” e através de orações e meditação, criava uma dança. Ela se comunicava em termos de movimento. Ela não podia imaginar usar seu instrumento, seu corpo, numa maneira tão restrita como o ballet. Sua dança trazia vida e expressão. Qualquer impressão que ela recebesse, ela dançava. Ela dançava com total abandono, e era vista por muitos como se estivesse flutuando ao brilho do sol, com seus pés raramente tocando o solo. Entretanto, sua vida foi uma tragédia moral e de corrupção. A adoração a ídolos deixa alguém sem entendimento, uma vítima da confusão. Triste ver alguém ao mesmo tempo tão dedicada e tão perdida! Como morreu: estrangulada pela própria echarpe
Grande nome da dança mundial, Isadora Duncan vivia sozinha em Nice, na Riviera Francesa, quando sofreu um acidente fatídico. Durante um passeio de carro, ela usava uma echarpe longa. O acessório acabou se enroscando na roda traseira do veículo e estrangulando a bailarina.

           A presença de Deus sempre traz mudanças e desafios! Homens e mulheres tocados por Deus ganham uma nova visão de assuntos espirituais, assim como Isadora, que ganhou uma visão espiritual enganosa porque seus deuses eram falsos, mas sua intenção era a de buscá-Lo e se entregar a Ele, e a Seu comando. Há ainda muito a se aprender e descobrir do que Deus nos tem dado com relação à dança profética diante do Rei!

DANÇA EXPRESSÃO DE LOUVOR E ADORAÇÃO
A palavra dança no hebraico (Machowl), significa “propósito; plano; movimento com propósito”, deste modo os movimentos do nosso corpo devem ter um propósito, já o dicionário Aurélio a define como “seqüência de movimentos corporais executados de maneira ritmada, em geral ao som de música”. Então as expressões de louvor e adoração através da dança devem ter um propósito, além de adorar ao Senhor, ela tem que curar, libertar, salvar, celebrar vitórias principalmente a de Jesus na cruz do calvário e de ser um ato profético de anúncio da volta do Senhor e de seus grandes feitos.

          Dançar para Deus é uma ATITUDE, ou seja, um ato de fé, pois não é simplesmente subir no altar e dançar para as pessoas ou porque é moda no meio gospel e não ter definido no coração o propósito de Deus para a sua Igreja através da dança. Que a dança para o Senhor é bíblica isto não resta dúvida, pois na Palavra de Deus podemos observar vários momentos onde a dança é expressa, uma vez que ela existe com certeza não foi satanás quem criou porque foi Deus quem criou todas as coisas. O que precisamos nos atentar é para o que tem significado a dança para muitos, seqüência de movimentos ou movimentos com um propósito. É importante aqui ressaltarmos que o propósito pode tanto ser Santo e produzir vida, como o contrário e produzir morte.
Assim a dança como expressão de louvor e adoração ao Senhor não é uma prática corporal por si mesma, muito menos uma exibição artística como complemento ou um adorno especial no culto. A dança é parte integrante do louvor como um todo e nele, a essência de total entrega do adorador se manifesta por uma espontaneidade responsiva, ou seja, onde todos são levados para momentos de júbilo, edificação, cura, libertação, restauração e salvação na presença do Senhor. E dessa forma, relaxar nos braços de Deus e confiar plenamente neles. É liberar o poder do Espírito dentro de nós.
      Dançar, também inclui o expressar de vários sentimentos - como: gratidão, amor, alegria por estar na presença do grandioso Deus e pela eterna Salvação em Jesus Cristo.
      Assim para que isso ocorra, há necessidade de consagração... Vida de oração e jejum se torna algo vital, para que não haja uma dança sensual/carnal aos olhos de Deus.
* Miriã dançou quando Deus abriu o mar vermelho para o povo de Israel atravessar (Êxodo15:20).
* Davi dançou na presença do Senhor alegremente, quando a Arca foi levada para Jerusalém (II Samuel 6:14).
         "Quando a arca do Senhor entrava na cidade de Davi, Mical, filha de Saul estava olhando pela janela e vendo Davi o rei, saltando e dançando diante do Senhor, ela o desprezou em seu coração" (II Sm 6:16).Percebemos que existia dois tipos de pessoas, as que adoravam através da dança e as que observavam.                     Temos que passar de meros observadores a adoradores que o adorem em espírito e em verdade. Na verdade quando não estamos participando de uma adoração, começamos a criticar e desprezar aqueles que estão adorando. Por isso sempre que nos sentirmos como Mical, precisamos analisar a nós mesmos, se estamos fazendo parte da adoração ou se no momento estamos pensando em qualquer outra coisa de menor importância.
Quando Mical, esposa de Davi o repreendeu, Davi lhe disse: "é perante o Senhor que tenho me alegrado".            (II Sm 6:21)
        É muito importante observarmos que o Senhor não aprovou o espírito crítico de Mical, e isso causou esterilidade a ela até o dia de sua morte. Não devemos julgar aquele que faz algo diferente de nós para adorar a Deus, pois se Deus nos aceita do jeito que somos, também aceitará a adoração por mais esquisita que pareça aos nossos olhos, sendo pura de coração Ele aceitará.

                Em Gálatas 5:13 a Bíblia nos exorta a não usarmos a liberdade para dar lugar a carne, mas com  sabedoria e pureza de coração podemos nos expressar e nos alegrar com expressões corporais, sem ferir a santidade de Deus. Temos que ser livres para adorar a Deus e atrair Sua presença, pois o adorando em Espírito e em verdade a sua glória será manifesta. Devemos dançar na presença de Deus.

   

 

                           


ALGUNS PONTOS DEVEM SER OBSERVADOS PELOS QUE FAZEM PARTE DO MINISTÉRIO DE DANÇA 
1- Amor a Deus: 
1.1 - SER DIZIMISTA E OFERTANTE FIEL

UM AMOR DEMONSTRADO – (Jo 14.3-9)

Maria deu o seu melhor
             Maria  num gesto pródigo de gratidão e amor quebrou um vaso de alabastro e derramou o preciosíssimoperfume de nardo puro sobre a cabeça de Jesus. O perfume havia sido extraído do puro nardo, isto é, das folhas secas de uma planta natural do Himalaia. Aquele perfume foi avaliado por Judas em trezentos denários (Jo12.5). Representava o salário de um ano de trabalho. Judas  ficou indignado com Maria e considerando seu gesto um desperdício. Ele culpou Maria de administrar mal os recursos. Ele murmurou contra ela, dizendo que aquele alto valor deveria ser dado aos pobres.   Judas criticou Maria por desperdiçar dinheiro, mas ele desperdiçou sua própria vida.
             Maria demonstrou seu amor a Jesus de forma sincera e não ficou preocupada com a opinião das pessoas à sua volta. Ela não buscou aprovação ou aplauso das pessoas nem recuou diante das suas críticas. O amor é extravagante, ele sempre excede!

Dança - Adolescentes

Adriene(33) 8898-0130 | Andressa (33) 8898-0130
contato@quadrangulargv.com

UM TRAIDOR APONTADO 
         Judas quis impedir Maria de adorar a Jesus, pois Maria tinha comprado um perfume extremamente caro para lavar os pés do mestre. A  pessoa que rouba, quer trabalhar para você não ser dizimista.
          Judas Iscariotes era um dos doze. Foi amado por Jesus, andou com Jesus, ouviu Jesus, viu os milagres de Jesus, mas perdeu a maior oportunidade da sua vida. Sabendo da trama dos principais sacerdotes em prender e matar Jesus, o entregou. 
         A nossa condição de servos obriga-nos a sermos desprovidos de vontade própria e sujeitos ao domínio integral do Senhor Deus. Isto significa: Primeiro à vontade de Deus e em segundo plano e em conformidade com os princípios divinos, o nosso querer. 
2- Temor a Deus e as autoridades espirituais -"Porque a rebelião é como o pecado de feitiçaria..."( Sm 5:23) 
2.1 – HONRAR  AS AUTORIDADES ESPIRITUAIS
               Sempre virão os testes para provar o nosso caráter, o importante é nunca permitir que o diabo implante em nós disfunções e distorções para termos os mesmos prejuízos que ele teve. Só seremos honrados se estivermos fazendo o que o Senhor mandou, seguir seus princípios, obedecer nossos líderes pois é um princípio bíblico. Tudo é possível ao que crê, não é difícil nem fácil, é possível. Creia!!!

A REBELIÃO DE CAM (Gênesis 9.20-27)

Pecado: Cam desrespeitou seu pai Noé, ao ver sua nudez e expô-la aos seus irmãos. Conseqüentemente, ele foi amaldiçoado (não teria progresso em sua vida pessoal; tornar-se-ia escravo de seus irmãos).

Aplicação
              Quem desrespeita a autoridade, a expõe aos outros, estará debaixo de maldição e não progredirá em sua vida pessoal e obra.
            Se alguém é independente, rebelde, não é membro do corpo, pois sendo membro será sempre dependente, submisso. Como pode um membro subsistir no corpo se não se submeter às ordens da cabeça?

          Quem se rebela torna-se semelhante a Lúcifer: Um dos motivos pelo qual Deus trata severamente a rebelião é porque ela leva o homem a assemelhar-se com Lúcifer, o querubim corrompido, Satanás. E faz Deus lembrar-se do diabo.

                                 3- Santos e Puros: 
                          “Paulo, servo de Jesus Cristo, chamado para ser apóstolo, separado para o evangelho de Deus”.

   (Rm 1:1)

 

             A exemplo de Paulo, somos chamados para fazermos a obra do Senhor Deus, em diversas áreas no Reino. Separados para a honra e glória do  Senhor. Consciente desta condição é preciso que haja uma adequação da vida ao viver definido por Deus. Você foi chamado pelo Espírito Santo para integrar o ministério de dança? Oh graças!  És bem-aventurado! O mandamento é: Seja Santo!

A santidade nos proporciona:

-A oportunidade de comungarmos as mesmas idéias do Senhor.

 

-E intimidade profunda com Ele.

 

              Quando isto é uma realidade, a nossa alegria é glorificá-Lo com os nossos atos.

 

Os frutos da carne:

“... a imoralidade sexual, a impureza, as ações indecentes, a adoração de ídolos, as feitiçarias, as inimizades, as brigas, as ciumeiras, os acessos de raiva, a ambição egoísta, a desunião, as divisões,  as invejas, as bebedeiras, as farras e outras coisas parecidas com essas”.

(Gl 5.19-21) São  inexistente na vida que procura ser santa e pura.


                                                                OS CINCO MINISTÉRIOS NA DANÇA

A) Apóstolos da dança (dança apostólica)
A dança apostólica ocorre quando o adorador, através da sua dança (ou outra manifestação artística), faz algo que influencia, que age diretamente na implantação do Reino de Deus aqui na terra. É, inevitavelmente, uma dança de guerra, um confronto entre luz e trevas, mas com vitória em Cristo quando esta dança é totalmente dirigida pelo Espírito Santo. Há um efeito (fruto), uma mudança perceptível na região, algo visível, palpável, como a conversão de uma multidão, por exemplo.
B) Profetas da dança (dança profética)
A dança profética, por sua vez, também é uma dança de guerra, mas não apenas, pois podemos profetizar, na mais profunda adoração, o casamento do Noivo com a Sua Igreja. A dança é profética quando expressa, através de coreografia ou adoração espontânea (ou outra forma ainda), aquilo que o Senhor Jesus quer falar naquele momento ou aquilo que Ele deseja mostrar/revelar para aquele período e local. Em certa medida, podemos afirmar que esta forma de adoração vem sendo restaurada no Corpo de Cristo.
C) Evangelistas da dança (dança evangelista)
A dança evangelista (ou evangelística) é aquela que fala de Jesus, o Filho de Deus, aquela que leva ao Seu conhecimento. Nela, os adoradores procuram alcançar o coração das pessoas através de sua dança, mostrando a necessidade de se renderem aos pés do Criador, de receberem a Cristo em suas vidas e de segui-lO, tornando-se cristãos segundo o coração do Pai. De todas, essa é a dança que mais freqüentemente vemos nas diversas congregações.
D)  Pastores da dança (dança pastoral)
Assim como o pastor deve guiar as ovelhas e delas cuidar, a dança pastoral é aquela que guia os adoradores, que ministra a Igreja, que a alimenta, sendo um canal de Deus para curas, transformações de vidas, sinais e maravilhas. É, ainda, responsável por manter o grupo na direção ensinada pelo Mestre.
E)   Mestres da dança (dança mestral)
 A dança mestral ocorre quando o adorador ensina o povo de Deus a seguir Seus mandamentos (Caminho) através da sua dança. Ocorre, também, quando este adorador compartilha o conhecimento dado pelo Senhor ao Corpo de Cristo com uma dança-teatro que ensina como um cristão deve agir diante de tentações ou provações, por exemplo. Além disso, esta unção ocorre quando o sacerdote da adoração ensina ao ministério e à Igreja os princípios de Deus para este ministério.
             A arte é obra das mãos de Deus, aquele que estendeu céus e terra, e tudo que nela há, o Deus Eterno. E sendo Deus um artista de infinita perfeição, criou uma maneira de expressarmos aquilo que, às vezes, palavras não conseguem dizer: A Dança. Movimentos geram a dança, e Deus cuidou para que dentro do nosso próprio corpo existisse movimento, através do sangue que corre dentro de nós, as articulações, o bater do nosso coração... Por isso somos livres para O adorar com todo o nosso ser: corpo, alma e espírito.