“Viste o homem eficiente na sua obra? Perante reis será posto; não permanecerá entre os de posição inferior.” (Provérbios 22:29)

Notícias

Concurso da prefeitura de Vilhena será aplicado neste domingo; consulte o local de prova


Cargo de auxiliar administrativo teve maior número de inscritos. Concurso de Vilhena será aplicado no domingo Prefeitura de Vilhena/Divulgação Serão aplicadas neste domingo (15) as provas para o concurso público da prefeitura de Vilhena (RO). Mais de 16 mil pessoas se inscreveram para disputar 106 vagas que estão sendo ofertadas. Os salários chegam a R$ 6 mil. No mesmo dia também serão aplicadas as provas do Serviço Autônomo de Água e Esgoto (Saae). Para conferir o horário e local onde as provas serão aplicadas, o candidato deve acessar o site da banca e inserir o seu número do CPF e data de nascimento. Para realização da prova, os candidatos precisam ter em mãos o Comunicado Oficial de Convocação para Prova (COCP) e identidade com foto. Segundo o Instituto Brasileiro de Desenvolvimento Executivo (Ibade), responsável pela organização da prova, os cargos com maior número de candidatos foram: auxiliar administrativo, com 1.729 inscritos, professor nível 3 (pedagogia), com 1.672, e agente administrativo, com 1.139. Entre os cargos com menor número de inscritos estão o de técnico em imobilização ortopédica, com quatro inscritos; técnico em laboratório de ciências agrárias, com três, e médico anestesista, com dois candidatos. Não houve inscrições para os cargos de médico de medicina do trabalho e neurocirurgião. Já para médico oftalmologista, pneumologista, endocrinologista, dermatologista, cardiologista e médico de medicina intensiva, com carga horária de 20 horas semanais, houve um inscrito por cargo. O resultado do concurso, aberto em novembro de 2020, está previsto para o dia 20 de fevereiro de 2020. Para retirar dúvidas e obter mais informações dos candidatos, o Ibade está realizando um plantão de atendimento neste sábado, até as 17h, através do telefone: 0800 668 2175 ou pelo e-mail: atendimento@ibade.org.br.

Grife de Londres produz bolsas com anéis de latinhas coletados em Salvador


Bottletop produz bolsas e acessórios a partir de anéis de latas de cervejas e refrigerantes comprados de uma cooperativa. No ateliê da marca na Bahia, trabalham 28 brasileiras, tiradas da informalidade. Bolsa com anéis de latinha da grife Bottletop Divulgação Em meio ao burburinho de consumidores que buscavam os prometidos descontos da Black Friday, na Regent?s Street um dos principais endereços de comércio de alto padrão de Londres, algumas lojas silenciaram. Não havia cartazes nem desconto, nem as palavras de ordem para que os consumidores comprassem. Foi uma decisão consciente que segue a tendência em uma geração cada vez mais crítica em relação aos efeitos que a produção e o consumo de massa têm sobre a saúde do planeta. A butique Bottletop foi uma delas. Gerente da grife há dois anos, o brasileiro João Zabaleta afirma que a preocupação da empresa britânica vem desde a fundação da marca. A Bottletop produz bolsas e acessórios a partir de anéis de latas de cervejas e refrigerantes coletados nas ruas de Salvador, no Brasil, comprados de uma cooperativa. O design das peças é feito no escritório de Londres, mas a produção é feita no ateliê na marca na Bahia, onde trabalham 28 brasileiras, que foram tiradas da informalidade e contratadas pela marca. "São elas que fazem tudo à mão, tratam os anéis, pintam e fazem o crochê para fazer as bolsas. Eram coisas que elas já faziam informalmente e foram todas contratadas para trabalhar no ateliê, quando foi fundado há 13 anos. Tudo trabalho manual. Essa coisa do ?slow made?, feito devagar. Não é produção de grande escala?, explica Zabaleta. "Existe essa responsabilidade da produção, porque a gente sabe exatamente quanto tempo leva para cada peça ser feita. A gente só tem uma loja no mundo inteiro. Existe uma produção, muito muito pequena?, acrescenta. Isso explica a relação da Bottletop com os excessos da Black Friday. "A gente escolheu não fazer parte justamente por isso?, destaca. ?Together Band? Nesse mesmo dia, quando integrantes do grupo "Extinction Rebellion" carregavam esqueletos pela rua para pedir um consumo responsável por parte da população, a butique lançava mais uma pulseira da coleção "Together Band", em parceira com as Nações Unidas. Cada uma tem uma cor e representa um dos 12 objetivos do desenvolvimento sustentável. Elas são feitas a partir de plástico coletado no fundo do mar na Costa Rica e carregam um detalhe em metal que é resultado de armas recolhidas em El Salvador. A produção vem do Nepal, de um trabalho social de mulheres que foram resgatadas de redes de exploração sexual. As pulseiras são vendidas aos pares para que sejam objetivos compartilhados entre as pessoas. Toda a renda obtida com a venda é destinada a projetos sociais ligados aos objetivos de sustentabilidade mapeados pela ONU. Esse é um projeto paralelo da butique, que se aproximou do grupo "Extinction Rebellion", desde o lançamento da marca no badalado festival alternativo de Glastonburry, em 2007. ?Desde então, a marca agregou muita gente que hoje faz parte desse movimento, dos protestos que estão acontecendo hoje?, afirma. Produção consciente Foi uma decisão consciente, assim como a de Zabaleta, que sempre quis trabalhar com design e moda. Nos últimos anos, ele percebeu que a indústria da moda produz demais e polui demais. Aos 34 anos, ele já mora há dez na capital britânica, onde também fabrica roupas sob medida para antigos clientes e trabalha para pequenas marcas independentes. "Eu escolhi Londres para ser o local onde eu ia estudar e desenvolver a minha pesquisa para a moda, porque eu acho que as pessoas aqui são mais conscientes para essa questão do consumo, são mais abertas, conscientes, críticas sobre o que consomem?, diz. Para ele, as pessoas no Reino Unido compram e investem em peças de design que são novas, que estão emergindo agora. ?Elas sabem que isso tem um preço e estão dispostas a pagar por isso?, completa.

Fernández aumenta impostos sobre exportações agrícolas da Argentina


Governo argentino afirma que desvalorização do peso frente ao dólar obrigou a medida. País é o principal fornecedor do trigo que o Brasil importa. Alberto Fernández durante coletiva em 6 de dezembro Agustin Marcarian/Reuters O novo governo da Argentina, comandado por Alberto Fernández, decidiu neste sábado (14) aumentar os impostos sobre as exportações agrícolas, uma medida justificada como "urgente" para enfrentar a "grave situação" das finanças públicas" do país, que é um dos maiores produtores e exportadores agrícolas do mundo. O aumento na taxação se junta a outra medida econômica anunciada neste sábado: o aumento no custo para a demissão de trabalhadores. Por 180 dias, quem for demitido sem justa causa terá que receber o dobro da indenização trabalhista. 'Grave situação financeira' Segundo a agência de notícias EFE, foram publicados um decreto e uma resolução que alteram a legislação de exportações agrícolas do país, que o ex-presidente Maurício Macri lançou em setembro de 2018. Até então, as exportações agrícolas eram tributadas a uma taxa de 4 pesos por cada dólar exportado. Mas o executivo argentino alegou que, desde que esse esquema foi implementado, "houve uma deterioração do valor dos pesos em relação ao dólar". Agora, o pagamento dessa taxa será eliminado e substituído por uma taxa de 9% para todos os produtos em geral. Para a soja, o principal produto de exportação da Argentina, o aumento é significativo. Atualmente os exportadores do grão pagam 18% e, com a mudança, a taxa vai para 27%. O texto diz que foi levado em conta "a grave situação enfrentada pelas finanças públicas, é necessário adotar medidas urgentes fiscal que permita atender, pelo menos parcialmente, às despesas orçamentárias com recursos genuínos". Trigo pode ficar mais caro para o Brasil A Argentina é a principal fornecedora de trigo e farinha do Brasil, e a decisão pode deixar o produto mais caro para a indústria, se houver repasse da nova tributação. Em 2018, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos (USDA), estimava que a taxa para os exportadores de trigo custava, em dólar, em torno de 10,5%. Mas, de lá para cá, o peso perdeu ainda mais valor diante da moeda americana, o que deixou esse percentual menor. O trigo é o principal produto agrícola importado pelos brasileiros, de acordo com o Ministério da Agricultura. O Brasil comprou da Argentina 4,80 milhões de toneladas de trigo até novembro, isso equivale a mais de um terço da estimativa do que as indústrias brasileiras vão consumir em 2019 (12,8 milhões de toneladas). Governo Kirchner também taxou o agro Os impostos de exportação foram o foco de um grave conflito entre o setor rural e o governo argentino nos últimos anos de Cristina Kirchner (2007-2015) no poder e que hoje é vice-presidente do país. Esse conflito incluiu protestos prolongados de empregadores rurais, com barreiras e greves para comercializar produtos agrícolas, que tiveram impacto na atividade econômica do país. Ao assumir em 2015, o ex-presidente Maurício Macri chegou a retirar a taxação, mas, em 2018, o governo argentino voltou a cobrar tributos da exportação da produção agrícola.

Demissão fica mais barata para o empregador; entenda

Lei sancionada nesta semana acaba com a multa extra de 10% do FGTS paga ao governo pelo empregador que dispensa o funcionário sem justa causa; medida não afeta a multa de 40% devida ao trabalhador. Medida provisória extingue multa adicional de 10% do FGTS Lei sancionada pelo presidente Jair Bolsonaro nesta semana acaba com a multa extra de 10% do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço (FGTS) paga pelo empregador que dispensa o funcionário sem justa causa. As empresas ficarão isentas da multa a partir de 1º de janeiro de 2020. Continua valendo o pagamento da multa de 40% para os trabalhadores. Essa multa paga ao governo foi criada foi criada em 2001 para compensar as perdas históricas causadas pelos planos Verão e Collor. Mas com o tempo passou a ser usada em programas sociais como Minha Casa, Minha Vida. A extinção da cobrança entrará em vigor após ter sido incluída na medida provisória 889, que foi convertida em lei e sancionada. Essa lei trata ainda do aumento do limite de saque imediato do FGTS de R$ 500 para R$ 998 e da revogação da distribuição de 100% do lucro FGTS para os trabalhadores. A mudança na multa também estava na medida provisória 905, que trata do programa de incentivo à contração de jovens entre 18 e 29 anos, chamado Verde Amarelo. No entanto, a MP 905 ainda precisa passar pelo Congresso para se tornar definitiva. Desde que foi apresentada pelo governo, a medida recebeu 1.930 emendas de parlamentares, ou seja, sugestões de mudanças em seu teor. Entre os pontos da MP 905 estão desconto de INSS sobre o seguro-desemprego, liberação de trabalho aos domingos e feriados para todos os trabalhadores e mudanças na fiscalização de infrações trabalhistas. Atualmente, as empresas pagam 50% de multa sobre todos os depósitos de FGTS nas demissões sem justa causa. Desse total, 40% ficam com o trabalhador. Os 10% restantes vão para a conta única do Tesouro Nacional, de onde são remetidos para um fundo operado pela Caixa Econômica Federal e gerido por representes do governo, de trabalhadores e empregadores. Essa multa de 10% não incide sobre as empresas quando o funcionário pede demissão. Segundo cálculos do Ministério da Economia, o fim da multa de 10% abrirá uma folga de R$ 6,1 bilhões no teto de gastos para o próximo ano. Isso porque o dinheiro deixará de passar pelo Tesouro Nacional e não será mais computado dentro do limite máximo de despesas do governo. Segundo o secretário de Fazenda do Ministério da Economia, Waldery Rodrigues, o fim da multa adicional do FGTS ajudará a reduzir os encargos trabalhistas e, ao mesmo tempo, a recompor o orçamento de 2020, que poderá contar com mais espaço para gastos. Isso porque o governo arrecada os recursos e os repassa ao FGTS. Ao fazer esse pagamento, os valores contribuem para elevar o teto de gastos. Mudança não muda vida de trabalhador, diz advogado Na opinião do advogado trabalhista Renato Falchet Guaracho, o fim da multa extra de 10% do FGTS não muda em nada a vida dos trabalhadores, pois ficou mantido o pagamento dos 40% em caso de demissão sem justa causa aos empregados. Para ele, a medida não estimula os empregadores a demitir. "As consequências são mínimas, porque o valor para a empresa é muito baixo. Os 40%, que é o valor maior, permanece. A menos que seja um funcionário antigo com salário alto, esses 10% representam muito pouco", afirma. Indústria comemora A Confederação Nacional da Indústria (CNI) disse, por meio de nota, que se trata de "mais uma importante medida para racionalizar a carga tributária e ampliar a competitividade das empresas brasileiras". O presidente da CNI, Robson Braga de Andrade, lembrou que o adicional já deveria ter sido extinto em 2012, quando a Caixa Econômica Federal, gestora do FGTS, reconheceu que o tributo já havia cumprido sua finalidade de restabelecer o equilíbrio financeiro do fundo. ?A decisão traz justiça tributária para as empresas, que cumpriram sua parte no acordo para salvar o FGTS, mas que, há quase oito anos, continuavam a ser tributadas indevidamente?, afirmou. A CNI ressalta que o fim da contribuição não afetará os direitos e garantias do trabalhador, já que não elimina a multa rescisória de 40% sobre o saldo do FGTS que vai para o empregado dispensado sem justa causa. "O adicional de 10% do FGTS, por sua vez, vinha representando um ônus pesado e descabido para as empresas brasileiras", informou.

Programação IEQ

09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto de Libertação
Local:
Obs:
19:30 ESCOLA DE SABEDORIA
Local: AUD.MARIO DE OLIVEIRA
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
17:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
16:45 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:00 Culto da Noite
Local: Templo
Obs: