“Viste o homem eficiente na sua obra? Perante reis será posto; não permanecerá entre os de posição inferior.” (Provérbios 22:29)

Notícias

Previdência: Maia diz que busca acordo para incluir estados ainda na comissão especial


Segundo presidente da Câmara, objetivo é conversar com governadores para chegar a um acordo. Votação da reforma na comissão especial pode acontecer ainda nesta semana. O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ) Luis Macedo/Câmara dos Deputados O presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), afirmou nesta terça-feira (25) que busca um acordo para incluir os estados na reforma da Previdência ainda na comissão especial. A reforma está no terceiro dia de debate na comissão, e a próxima etapa é a votação do parecer do relator, Samuel Moreira (PSDB-SP), o que pode acontecer ainda nesta semana. O texto a ser aprovado pela comissão especial será enviado para o plenário da Câmara. "Alguns governadores devem estar em Brasília entre hoje [terça] e amanhã [quarta]. Eu pretendo, antes de o relator ler a complementação de voto, que a gente possa ter dialogado com todos os governadores sobre algum acordo para inclusão dos governadores já na comissão", declarou Rodrigo Maia. No início de junho, na semana em que o parecer da reforma da Previdência foi apresentado, os líderes da Maioria informaram que a ampliação das novas regras de aposentadoria para estados e municípios seria feito por meio de mudança durante a votação da proposta no Plenário da Câmara. O texto do relator Samuel Moreira, apresentado no último dia 13, não conta com novas regras para estes entes. O presidente argumentou que não adianta excluir os governadores da reforma da Previdência, já que os efeitos retornam ao Congresso e ao governo federal. ?A gente vê a pressão que os estados estão fazendo por recursos. Então não adianta excluir os governadores, porque depois o problema volta para o Congresso Nacional, volta para o Executivo federal?. Comissão especial da Câmara se reúne para debater o parecer sobre a reforma da Previdência A inclusão de estados e municípios na reforma da Previdência divide os deputados. Quem é a favor da inclusão aponta a situação das contas públicas estaduais; já quem é contra afirma que a reforma poderá perder votos se tiver normas para servidores de outros entes. ?Eu entendo a posição de uma parte relevante dos deputados que, de forma majoritária, decidiu nesse momento a retirada dos estados. Mas se a gente conseguir um grande acordo com a federação eu acho que seria um momento histórico para a política brasileira, pros governadores, pros prefeitos, pro parlamento, aprovando uma reforma com uma margem grande de votos, no primeiro e no segundo turno?, afirmou o presidente Rodrigo Maia. Questionado sobre se a negociação poderia adiar a votação da reforma na Comissão Especial, o presidente afirmou: ?Vamos conversar. Agora, nessa reta final, um dia ou dois dias não vai fazer diferença. Mas deixar os governadores fora fará uma diferença brutal nos próximos dez anos. Então é melhor ter um pouco de paciência. O ideal é votar essa semana, se não essa semana no máximo na próxima terça-feira, mas, claro, o adiamento só vale apenas se a gente tiver clareza que tem espaço para negociar essa matéria com governadores e com prefeitos?. Votos para aprovar a PEC Rodrigo Maia disse considerar que a PEC da reforma da Previdência tem os votos necessários para ser aprovada em Plenário. ?Eu acho que tem?, confirmou, completando: ?Tem os votos, mas isso tudo é uma construção. Você trazendo os governadores, você consolida alguns partidos porque tem partidos que aqui são partidos ideologicamente mais próximos do nosso campo mas são aliados de governadores de partidos de esquerda nos seus estados?. Maia também ressaltou que não se pode votar uma proposta como a reforma da Previdência com poucos votos além do mínimo necessário ? 308 votos. ?A gente não pode votar uma matéria como essa com o risco de ter 315, 313, 314 votos, se a gente tiver uma sinalização mais forte dos governadores a gente caminha para ter um teto de 380 votos. Aí fica mais fácil pra não errar na hora que for fechar a urna e abrir o voto?. Para o presidente da Câmara, tendo o apoio dos governadores, é possível ter de 340 a 450 votos, mesmo com uma perda de 15%.

Vendas do Tesouro Direto somam R$ 5,8 bilhões em maio e batem recorde

Entretanto, os vencimentos também foram os maiores da história no mês passado, ao somarem R$ 10 bilhões. Com isso, houve uma retirada líquida de R$ 4,2 bilhões em títulos do mercado financeiro. O governo federal informou nesta terça-feira (25) que a venda de títulos públicos por meio do Tesouro Direto bateu recorde ao somar R$ 5,860 bilhões em maio deste ano. Esse programa foi criado em janeiro de 2002 e permite a pessoas físicas a compra de títulos públicos pela internet, por meio de bancos e corretoras. O alto volume de vendas de papeis ocorreu em um mês de grandes vencimentos: R$ 8,103 bilhões. Ao mesmo tempo, os investidores resolveram revender antecipadamente (antes do vencimento) para o Tesouro Nacional outros R$ 1,959 bilhão em títulos públicos ? que resgatou esses títulos públicos. Ao todo, R$ 10,063 bilhões foram retirados de mercado em maio. Considerando o volume das emissões e dos resgates de maio, de acordo com o Tesouro Nacional, houve um resgate líquido, ou seja, retirada de títulos públicos no mercado acima do volume de emissões, de R$ 4,203 bilhões no mês passado. Saldo Com o resgate líquido de títulos do Tesouro Direto em maio, o saldo total (estoque) de títulos em mercado passou para R$ 55,543 bilhões no mês passado, uma queda de 6,3% em relação a abril de 2019 (R$ 59,299 bilhões). "Os títulos remunerados por índices de preços respondem pelo maior volume no estoque, alcançando 48,7%. Na sequência, aparecem os títulos indexados à taxa Selic, com participação de 34,0% e, por fim, os títulos prefixados, com 17,3%", informou o Tesouro Nacional. Investidores De acordo com o Tesouro Nacional, 186.553 novos investidores se cadastraram no programa em maio. Com isso, o número total de investidores cadastrados ao fim do mês atingiu 4,19 milhões. "O número de investidores ativos chegou a 1.035.092, uma variação de 69,9% nos últimos doze meses. No mês, o acréscimo foi de 28.545 novos investidores ativos", acrescentou a instituição. Em janeiro deste ano, o governo anunciou que a taxa de custódia do Tesouro Direto, cobrada pela bolsa de valores B3, passou de 0,3% para 0,25%. Em março do ano passado, o governo anunciou que o aplicativo do Tesouro Direto passou a contar com novas funções, entre as quais a possibilidade de fazer simulações sem a necessidade de cadastro prévio e a permissão para compartilhar os resultados nas redes sociais. Outra novidade anunciada foi uma gerente virtual para o aplicativo, uma personagem criada para aproximar os potenciais investidores do programa.

Em audiência no STF, estados cobram análise de mudanças nas Lei de Responsabilidade Fiscal

Ações que questionam a norma estão na pauta do Supremo. Um dos pontos que podem ser analisados é a redução da jornada e dos salários de servidores para reduzir gastos com pessoal. Representantes dos estados de Rio Grande do Sul, Goiás e Minas Gerais cobraram nesta terça-feira (25) o julgamento de ações que pedem mudanças na Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF). O Supremo Tribunal Federal pode analisar nesta quarta (26) oito processos que questionam 20 pontos da norma. Um dos pontos que serão analisado é a possibilidade de se reduzir a jornada de trabalho dos servidores públicos e adequar vencimentos para reduzir despesas. Esta possibilidade está suspensa desde 2002. O ponto é polêmico, porque a Constituição trata como um princípio a irredutibilidade de salários. Pela Lei de Responsabilidade Fiscal, estados e municípios não podem gastar mais do que 60% da receita corrente líquida com seus servidores. A medida é apresentada como alternativa para casos em que administração pública ultrapassa este limite. Secretários de Fazenda de Minas Gerais e Rio Grande do Sul, além do governador de Goiás, Ronaldo Caiado, participaram nesta manhã de uma sessão pública para discutir conflitos envolvendo questões fiscais entre estados e União. O encontro foi marcado pelo ministro Luiz Fux, relator de uma ação que discute o assunto. Eles falaram da importância de o julgamento ser finalizado nesta quarta. ?A Lei de Responsabilidade Fiscal não me dá direito a poder diminuir horário de trabalho, que está aqui para ser julgado há 10 anos. ?Não é justo que as regras da lei de responsabilidade seja tão duras para quem assume o mandado e seja flexível para aqueles que realmente praticaram o descumprimento da lei de responsabilidade fiscal. Eu passei a ser herdeiro de crime?, afirmou Ronaldo Caiado. ?A expectativa é de que o STF decida como é que deve ser interpretada a Lei de Responsabilidade Fiscal. Ela não pode ter vários parâmetros. Para se cumprir aquele percentual que é o limite máximo, ou a linha prudência, de 54,36% do gasto com pessoal, isto é uma realidade ou não? Nós vamos incluir inativos e considerar também imposto de renda, ou não??, declarou o governador de Goiás ao final da audiência. Os secretários da Fazenda do Rio Grande do Sul, Marco Aurélio Santos Cardoso seguiu a mesma linha em seus discurso. Cardoso afirmou que é importante a ?padronização da contabilização das despesas de pessoal?, um dos pontos que podem ser analisados nesta quarta pelo Supremo. ?Os estados hoje viraram hoje executores da folha de pagamento. Se a gente não controlar esse tipo de crescimento, não haverá ajuste fiscal que dê conta. Entendo que capital político principal que está sendo afetado a ser despendido pelos governadores serão nessa área?, afirmou.

Como um computador barato foi usado para roubar dados da Nasa


Controles frouxos de segurança permitiram que um hacker navegasse por quase um ano na rede da Nasa sem ser descoberto, diz relatório. Um pequeno computador rudimentar do tipo Raspberry Pi foi usado para roubar dados do Laboratório de Propulsão à Jato da Nasa, segundo revelou a própria agência espacial americana. Um relatório de auditoria da Nasa revelou que o dispositivo foi usado para copiar cerca de 500 megabytes de dados (o mesmo que um filme em baixa qualidade ou um episódio de uma série de TV). Computador de US$ 35 vende 2 milhões de unidades Segundo a Nasa, dois dos arquivos roubados diziam respeito à transferência de tecnologias militares e espaciais restritas. O hacker usou o dispositivo para invadir a rede da Nasa e permaneceu sem ser detectado por cerca de dez meses. Raspberry Pi é um computador de cerca de US$30, usado em projetos simples de computação e robótica Divungação/Fundação Raspberry Pi 'Rover' remoto O hacker ganhou acesso à rede interna do laboratório usando o Raspberry Pi para sequestrar uma conta de usuário. Apesar de o Raspberry ter sido conectado à rede por um funcionário, controles falhos do sistema de login impediram os administradores da Nasa de saber que o dispositivo estava conectado, segundo um relatório da agência espacial. A supervisão do sistema deixou que dispositivos vulneráveis permanecessem na rede sem serem monitorados, permitindo que o hacker assumisse o controle desses dispositivos e os usasse para roubar os dados. O Raspberry Pi é um computador do tamanho de um cartão de crédito e que pode ser adquirido por US$ 30 (cerca de R$ 115,00). É geralmente usado em projetos educacionais na área de informática. É também uma opção popular para pequenos projetos de computação, por ter tamanho reduzido e ser fácil de usar. Depois de conseguir acesso, o hacker passou a navegar pela rede interna, explorando vulnerabilidades dos controles de segurança internos que deveriam ter impossibilitado a transição entre os sistemas de diferentes departamentos. O hacker não foi identificado e nem capturado até o momento. Revisão da segurança Os dados roubados vieram de 23 arquivos, mas a Nasa deu poucos detalhes sobre o tipo de informação que foi extraviada. O processo de auditoria revelou vários outros dispositivos na rede JPL que os administradores do sistema não conheciam. Nenhum desses outros dispositivos foi considerado malicioso. "É extremamente difícil para organizações grandes e complexas, como a Nasa, manterem um monitoramento perfeito de todos os seus dispositivos", disse Nik Whitfield, chefe da empresa de segurança Panaseer. "Normalmente, isso ocorre porque eles dependem de processos manuais e seres humanos para inventariar continuamente todos os dispositivos conectados à rede e as vulnerabilidades específicas que eles sofrem." Depois que a Nasa tomou conhecimento da violação, algumas partes da agência, incluindo o Centro Espacial Johnson, pararam de usar um gateway central que dava aos funcionários e prestadores de serviços acesso a outros laboratórios e locais. Isso foi feito porque se temia que o invasor pudesse obter acesso aos sistemas de voo que controlam as espaçonaves ativas atualmente. O relatório de auditoria recomendou que a Nasa melhorasse seu trabalho de monitoramento de rede e reforçasse suas políticas contra ataques de hackers. Com sede na Califórnia, o Laboratório de Propulsão à Jato é a principal instalação da Nasa para a construção e operação de espaçonaves robóticas da agência, incluindo seus rovers planetários.

Programação IEQ

09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto de Libertação
Local:
Obs:
19:30 ESCOLA DE SABEDORIA
Local: AUD.MARIO DE OLIVEIRA
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
17:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
16:45 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:00 Culto da Noite
Local: Templo
Obs: