“Viste o homem eficiente na sua obra? Perante reis será posto; não permanecerá entre os de posição inferior.” (Provérbios 22:29)

Notícias

Incerteza tirou quase R$ 40 bilhões da economia em 2018, mostra estudo


Levantamento da consultoria Tendências revela que o Brasil poderia ter crescido 1,7% no ano passado se a incerteza não tivesse sido tão alta e prejudicado o desempenho dos investimentos. Incerteza em alta afeta desempenho dos investimentos AFP A incerteza com o futuro da economia tem um impacto bilionário para o Brasil. Apenas no ano passado, a falta de clareza sobre o rumo do país custou quase R$ 40 bilhões. Os números foram calculados pela consultoria Tendências e tiveram como base o Indicador de Incerteza da Economia apurado mensalmente pelo Instituto Brasileiro de Economia, da Fundação Getúlio Vargas (Ibre/FGV). A conclusão do estudo da Tendências é que, se a incerteza no país tivesse permanecido num patamar neutro, o Produto Interno Bruto (PIB) do ano passado teria avançado 1,7%, acima do índice de 1,1% apurado oficialmente pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Dessa forma, se tivesse ocorrido um avanço mais acelerado do PIB num cenário de baixa incerteza, a economia teria alcançado um tamanho de R$ 6,832 trilhões, e não de R$ 6,794 trilhões em 2018. A diferença de quase R$ 40 bilhões é maior, por exemplo, do que o orçamento do programa Bolsa Família, estimado inicialmente em R$ 30 bilhões neste ano. "O ano passado foi marcado por uma eleição presidencial, o que já traz alguma incerteza", afirma o economista da Tendências e responsável pelo estudo, Lucas Silva. "Houve ainda a greve dos caminhoneiros (em maio de 2018), que mostrou que um setor pode parar toda a economia." Em 2018, a média do Indicador de Incerteza da Economia foi de 114 pontos. Um índice neutro ? ou seja, aquele que não prejudica a atividade econômica ? é de 101,9 pontos, segundo a Tendências. Futuro incerto Diana Yukari/Arte G1 A magnitude da incerteza numa economia é bastante importante. Quando ele sobe e, portanto, há pouca clareza quanto ao futuro do país, investimentos são postergados pelos empresários e consumidores adiam a compra de bens, dificultando o crescimento econômico. O levantamento mostrou, por exemplo, que num quadro de incerteza neutra, os investimentos teriam crescido 11% no ano passado. A alta apurada pelo IBGE, no entanto, foi de 4,1%. "O baixo crescimento do país está muito atrelado ao desempenho do investimento", afirma Lucas. "E o investimento é bastante sensível ao quadro de incerteza." Incerteza segue em alta Em junho, no último dado divulgado, o Indicador de Incerteza da Economia, medido pelo Ibre/FGV, ficou em 119,1 pontos. Houve apenas uma queda de 0,4 ponto na comparação com maio, e o indicador segue num patamar elevado. A economia brasileira lida com um quadro de incerteza elevada há quatro anos. De lá para cá, o país começou a enfrentar uma severa crise fiscal, que culminou com a perda do grau de investimento pelas agências de classificação de risco, passou pelo processo de impeachment da ex-presidente Dilma Rousseff, encarou a inédita greve dos caminhoneiros, e absorveu os impactos da eleição presidencial do ano passado, marcada pela polarização. "A incerteza está num patamar elevado desde 2015", afirma o superintendente de estatísticas públicas do Ibre/FGV, Aloisio Campelo. "Nesses anos, a exceção se deu em apenas seis meses, entre os quatro últimos meses de 2017 e os primeiros dois meses de 2018", diz. Atualmente, o alto grau de incerteza é explicado pela necessidade de o governo conseguir tirar do papel uma robusta agenda de reformas que seja capaz de acelerar o crescimento do país. A principal delas é a da Previdência, considerada fundamental para o acerto das contas públicas. Ela já foi aprovada em primeiro turno na Câmara dos Deputados, e o projeto deve ser votado novamente no início de agosto, antes de seguir para o Senado. "A incerteza deve cair com a aprovação da reforma, mas não espero um cenário de explosão de investimentos", afirma o pesquisador do Ibre. "A incerteza só vai recuar se for consolidada uma relação entre executivo e legislativo (para a aprovação de novas medidas)." De fato, há um consenso entre os economistas de que a reforma da Previdência, sozinha, não vai ser capaz de trazer um crescimento mais forte e sustentado. O governo vai ter de endereçar uma série medidas, como resolver a questão tributária e melhorar o ambiente de negócios do país, para ajudar na retomada da expansão econômica. "A reforma é importante, mas vamos ter de dar outros passos para a atividade melhorar", afirma Campelo.

Câmara inicia recesso informal nesta quinta; saiba o que pode ser analisado no segundo semestre


Deputados devem votar em agosto, por exemplo, o segundo turno da reforma da Previdência. Nova Lei de Licitações e MP da Liberdade Econômica também devem ser analisadas. Plenário da Câmara dos Deputados Reuters/Adriano Machado O recesso informal da Câmara dos Deputados começa nesta quinta-feira (18) e, com isso, o calendário de votações no plenário e nas comissões será retomado somente em agosto. Esse período é chamado no jargão legislativo de "recesso branco" e, por acordo entre os parlamentares, não haverá sessões deliberativas, nas quais há discussão e votação de projetos. O recesso deste ano não é oficial porque o Congresso ainda não analisou a Lei de Diretrizes Orçamentárias, conforme prevê a Constituição. A LDO estabelece as regras gerais para a elaboração do Orçamento da União. Projetos na fila Veja alguns dos projetos que devem ser analisados pelos deputados quando acabar o recesso informal: Câmara marca a terceira sessão para votar 2º turno da reforma da Previdência Reforma da Previdência - Enviada pelo governo em fevereiro, a proposta de emenda à Constituição (PEC) que prevê mudanças nas regras de aposentadoria já foi aprovada em primeiro turno e deverá ser analisada em segundo turno. Para ser aprovada e enviada ao Senado, a PEC precisa dos votos de pelo menos três quintos dos parlamentares, ou seja, 308 dos 513 deputados. Nova Lei de Licitações - A proposta já teve o texto principal aprovado em junho, mas o plenário ainda deve analisar no segundo semestre 23 destaques (sugestões de mudança) antes de enviar o texto ao Senado. Entre outros pontos, a proposta amplia a pena para a fraude em concorrências e aumenta os valores de empreendimentos que podem ter dispensa de licitação. Governo deve apresentar proposta de reforma tributária na semana que vem Reforma Tributária - A comissão especial que vai analisar a proposta foi instalada em 10 de julho. A PEC muda a forma de cobrança de tributos no país, e os deputados da comissão terão 40 sessões para analisar o tema. Há a expectativa na Câmara de que a proposta em elaboração pelo governo tramite em conjunto com o texto a ser aprovado pela comissão. Legislação penal - O grupo de trabalho que analisa modificações da legislação penal teve o prazo de discussão prorrogado até 15 de agosto, quando deverá concluir a análise sobre o tema. Comissão aprova relatório da MP da liberdade econômica MP da Liberdade Econômica - Enviada pelo governo, a medida provisória conhecida como "MP da Liberdade Econômica" já foi aprovada pela comissão mista e deverá ser analisada pelo plenário da Câmara. Se aprovada, seguirá para o Senado. Entre outros pontos, o texto autoriza o início de pequenas atividades econômicas sem alvará, prevê o fim do eSocial e a criação da carteira de trabalho eletrônica. Lei de Diretrizes Orçamentárias - A LDO já pode ser votada pela Comissão Mista de Orçamento. Em seguida, será submetida a votação em uma sessão conjunta do Congresso, formada por deputados e senadores.

Número de assinantes da Netflix nos EUA cai pela 1ª vez desde 2011


Balanço do 2º trimestre também aponta um volume de novos clientes no resto do mundo abaixo do que o mercado esperava. Nova temporada de "Black Mirror" estreou em junho, com participação de Miley Cyrus Reprodução/Youtube A Netflix encerrou o 2º trimestre deste ano com 126 mil clientes a menos nos Estados Unidos e um volume de novos assinantes no resto do mundo abaixo do que o mercado esperava, apontou o balanço divulgado nesta quarta-feira (17). Foi a primeira vez que a líder mundial no streaming de vídeos reportou queda no número de usuários no mercado americano desde 2011, quando separou esta atividade do serviço de DVDs por assinatura. Em todo o mundo, a Netflix atraiu 2,83 milhões de novos assinantes, mas o montante ficou abaixo dos 4,8 milhões projetados por investidores para o período. Ao todo, o número de clientes que pagaram pelo serviço entre abril e junho chegou a 151 milhões. O lucro líquido da empresa caiu cerca de 30% na comparação com o 2º trimestre de 2018, para US$ 270,7 milhões. A receita subiu 26%, de US$ 3,91 bilhões para 4,92 bilhões, pouco menos que o esperado. As ações da Netflix caíram mais de 10% com a divulgação dos resultados, depois do fechamento da bolsa de Nova York, o que representa uma queda no valor de mercado de mais de US$ 17 bilhões. Reajuste e ajuda de 'Stranger things' Em carta aos acionistas, a empresa avaliou que não alcançou as expectativas porque o conteúdo oferecido no período atraiu menos gente que o esperado. E culpou o aumento no preço das mensalidades, anunciado no começo do ano. O reajuste começou a valer no Brasil em março. Para o 3º trimestre, a Netflix prevê conquistar 7 milhões de novos clientes, com a ajuda de uma nova temporada do thriller sobrenatural "Stranger things", lançada no último dia 4. Isso é mais otimista do que os 6,6 milhões previstos por analistas, segundo a agência Reuters. A série bateu o recorde de audiência do serviço de streaming nos primeiros 4 dias, tendo sido vista por 40,7 milhões de usuários, segundo a companhia. Também estão programadas para o período novas temporadas de "La casa de papel" e "The crown".

Programação IEQ

09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto de Libertação
Local:
Obs:
19:30 ESCOLA DE SABEDORIA
Local: AUD.MARIO DE OLIVEIRA
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
15:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
17:00 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:30 Culto da Noite
Local: Templo
Obs:
09:00 Culto da Manha
Local: Templo
Obs:
16:45 Culto da Tarde
Local: Templo
Obs:
19:00 Culto da Noite
Local: Templo
Obs: